LIBERDADE DE OPINIÃO

O objetivo desse blog não é criticar negativamente as crenças e conceitos de outrem. É um exercício de reflexão com o mais puro sentimento de liberdade e de amor ao próximo. São textos de um mero estudante descobrindo o universo que vivenciamos.



domingo, 3 de março de 2013

PROFECIAS - Parte II


Estava conversando com uma Soror (Irmã) a respeito de Profecias, ela me falava sobre o Profeta Nostradamus. Atento as sua palavras e com um profundo respeito as suas colocações e aos seus pontos de vistas, foi interrompida com uma indagação de um Frater (Irmão): quanto “FIM DE MUNDO” já não escutou ultimamente? Parece que essas palavras caíram do céu no momento certo...

Movidas por crenças as Profecias faz parte das tradições de caminho devocional, também, chamado de via cardíaca. Caminho esse que ao longo das diversas reencarnações do homem o leva ao encontro do divino, movido pela fé, seja em alguém ou uma causa.

As Profecias têm três classificações quanto a sua realização:

  • Base Passada – Que em algum tempo do passado já ocorreu;
  • Base histórica – Que está por acontecer no decorrer da história da humanidade, sem precisão de tempo;
  • Base Futura – Que ocorrerá em circunstâncias do futuro, com uma combinação de acontecimentos que a antecederá e em alguns casos, com previsão de tempo.

Dentro da tradição bíblica encontramos a Profecia como um dom divino, portanto, só atribuído a DEUS o poder de profetizar, cabendo ao homem apenas a interpretar.




Para alguns as Profecias são, também, formas de embutir um determinado simbolismo, ou ainda, o próprio simbolismo atuando para guardar “verdades” de leis universais.

É preciso aprofundar um pouco o tema quanto a sua extensão territorial, pois até parte da idade média, acreditava-se, por exemplo, que o mundo não era redondo. Logo, pergunto-me:

“Será que o mundo iria partir ao meio? Ou toda sua água iria escorrer pela beirada do quadrado?”  

Acreditava-se, por exemplo, que a terra não girava em torno do SOL, em determinados povos desconheciam a existência de outros planetas. Mudanças ocorrem naturalmente...

As convicções de alguns seres humanos estavam repletas de emoções devido as suas tradições religiosas, bem como, baseada em seus conhecimentos históricos e científicos da época.

Um homem mais espiritualizado verificará em relação a uma determinada organização que foi profetizada o seu fim, ora, por que motivo? Recebendo um insight devido ao acumulo de informações no seu subconsciente, cujo reflexo foi um suprassumo profético, sintetizado na extinção daquela organização. Ou ainda assim, percebido inconscientemente, que o Karma Coletivo adquirido por essa organização devido aos seus atos brutais para com as pessoas, tais como queimá-las em fogueiras, cessar conhecimentos, cobrança de taxas para purificação e entrada no céu. Será que em algum momento o AMOR que deveria está acima dos interesses egoístas de alguns simples mortais, não deveria ser pregado para propagação de um bem maior e a própria perpetuação dessa organização, mas quando esse não tem o valor intrínseco em cada um de seus governantes a perpetuação é expressamente entendida de forma capitalista e de influência política, deixando em segundo plano a socialização da palavra AMOR. No entanto, entendo perfeitamente que os erros do passado refletem consequências no futuro, mas que todos, incondicionalmente, têm o direito universal do recomeço, mesmo que esse seja inicialmente com o declínio aparente, pois cada um tem o seu valor histórico e missão cósmica, sendo esse acontecimento uma expressão da verdadeira purificação...

Não estou aqui querendo desmerecer e nem acabar com a “Ciência Profética”, muito menos fazendo uma crítica, mas apenas, remetendo a uma reflexão mais aprofundada a respeito do tema. Desejando que as análises individuais sejam desnudadas das crenças, superstições e emoções aparentes, mas refletindo uma imagem real.

Sejamos LUZ, VIDA e AMOR...


Nenhum comentário:

Postar um comentário