LIBERDADE DE OPINIÃO

O objetivo desse blog não é criticar negativamente as crenças e conceitos de outrem. É um exercício de reflexão com o mais puro sentimento de liberdade e de amor ao próximo. São textos de um mero estudante descobrindo o universo que vivenciamos.



terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

SENTENCIANDO


Certamente o silêncio é um grande instrumento para reflexão, de modo que antes de argumentarmos algo, temos tempo de nos refazer caso verificarmos que por impulso estávamos prestes a falar sobre alguma situação que não representava a realidade e consequentemente iria machucar alguém.

Cada indivíduo tem um nível cultural e social pelo qual boa parte de suas ações são baseadas dentro do conhecimento que deles aprenderam. Avaliando o comportamento de um individuo e nos colocamos como referencial iremos identificar algumas discrepâncias em relação ao que nós somos. Isso mesmo, eu e você que está lendo, em relação a uma terceira pessoa. Temos diferenças, não podemos achar que a forma que identificamos um ser humano é realmente o que ele representa. A grande chave disso é como estimulamo-lo, se positivamente ou negativamente. Devemos ter cuidado no julgamento, principalmente quando este é explícito, direto e franco.

Segue uma citação de Annie Besant (1847-1933) em seu Livro “Do recinto externo ao santuário interno”, publicado pela Editora Pensamento:

“O próximo estágio será o de analisar o próprio caráter, porque está trabalhando com conhecimento e não às cegas. Talvez, se for sensato, assimile algumas das coisas que os grandes homens colocaram diante de você como descrição do caráter que o levará à porta do Templo.”

Logo, quando recebemos algum tipo de conhecimento religioso ou místico, devemos educar os nossos pensamentos, mudando nossos hábitos, de forma a sermos mais serenos. O julgamento é algo que devemos evitar, fazendo-o apenas quando necessário.

Uma citação de C. W. Leadbeater (1854-1934) em seu Livro “Compêndio de Teosofia”, também publicado pela Editora Pensamento:

“O pensamento, quando é pessoal, atua inteiramente do mesmo modo em relação à pessoa que o engendrou e se descarrega sobre ela quando a ocasião se apresenta. Quando o pensamento é mau, considera-o a pessoa que o gerou como obra de um demônio tentador. Em geral, pode-se dizer que cada pensamento produz uma nova forma-pensamento. Porém, sob o império de certas circunstâncias, a repetição deste pensamento, em lugar de produzir uma nova forma, funde-se com a primeira e o fortifica. De sorte que uma continuada meditação sobre o mesmo assunto engendra, por vezes, uma forma-pensamento de um poder formidável. Quando é má, pode tornar-se maléfico e durar muitos anos. Possui a aparência e os poderes de uma entidade realmente viva.”

Por isso o fato de estarmos julgando as pessoas constantemente pode ocasionar uma couraça psicológica e esta, baseada em sua forma de pensar pode nos machucar, não permitindo enxergarmos a vida com mais simplicidade e cordialidade.

Durante uma relação interpessoal, há situações que nos permite conversar com uma pessoa e dá-lhe conselhos, fazer críticas construtivas, entretanto, é necessário estarmos preparado para isso. O que nos leva a ajudar uma pessoa? É o entendimento que possamos agregar algo para ela, mesmo quando somos solicitados a fazer isso. Quando não compreendemos dos assuntos envolvidos nas questões pessoais desse individuo, não estamos capacitados para fazermos julgamentos a respeito das ocorrências na vida dele. Portanto, nesse momento, ter humildade e servir dentro do que realmente somos, muitas vezes, em simples oração em seu favor, mas de forma contundente, ou seja, sincera, trará mais benefícios do que falarmos uma porção de palavras sem um sentido para o contexto daquele indivíduo.

“Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;”Novo Testamento – Timóteo – Capítulo 2 – Versículo 1.




segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

PROFECIAS


Não devemos desconsiderar a sabedoria da antiguidade, principalmente ao que se refere ao comportamento humano. Eles nos remetem a algumas análises e modos de vidas de bom grado para o convívio humano.

Sem desmerecer os Profetas do passado, bem como, sabendo que alguns deles tinham qualidades extraordinárias para prever acontecimentos, devido as suas “harmonizações com o Deus de seus corações”, mas é sabido que de certa forma um impacto de um comentário ou um estudo de algum deles quanto a determinados fatos que poderiam ocorrer estava diretamente relacionado a um receptor que por vezes não tinha o conhecimento necessário para analisar o teor de seus comentários. Por outro lado, ainda, o impacto era sempre maior quando o fato incorrido era relacionado à entidade ou pessoas, isso em qualidade e/ou quantidade, de grande importância num contexto social.

Como prática milenar, desvendar segredos é também uma característica nata do ser humano que ao nascer já sente a necessidade de proteção e acreditar em algo superior, na maioria das vezes, inicialmente representado pela relação com os pais. A inquietude em descobrir os mistérios da vida, mesmo para o mais profano dos homens é tentador e nos leva a cenários épicos que podemos considerar distantes dos conhecimentos atuais, inclusive, nas duas pontas desses conhecimentos, atrasados ou avançados.

Dentro de uma linha de comportamento humano, é sabido que podemos prever certos acontecimentos, salvo quando há situações de riscos não percebidas. Para um profano, com sua natural , ao receber informações ditas importantes, suas reflexões e ações são baseadas em sua cultura e com base no modo de vida daquela sociedade em que convive, seja atual ou antiga.

Hoje, temos que ter muito cuidado em julgar certas profecias, devem ser entendidas de forma serena, ou seja, buscando enxergá-las a luz da sabedoria antiga, mas também, na síntese científica atual que decompõe uma a uma.

Alguns desses fatos, principalmente, aqueles relacionados à natureza é de certa forma explicável, já que o próprio homem é responsável pelas ações de degradação do meio em que vive, fazendo que a natureza busque a sua regeneração. Isso implica em catástrofes aparentemente inexplicáveis, além da própria “metamorfose terrena”, se assim simbolicamente posso dizer, mas que a ciência já dá como certa devido à intervenção maléfica do ser humano.

Outro fator importante, é que da antiguidade até poucas décadas atrás, a informação não tinha uma velocidade tão grande. Algo que ocorria na China dificilmente chegaria rapidamente ao continente sul africano ou sul americano. Hoje com a tecnologia da informação temos notícias on-line, full time etc e tal. Mas, o suprassumo disso é que havia ocorrências tantas quanto hoje, talvez, com menos vítimas, já que a população atual é maior e consequentemente atinge mais pessoas.

Diante do exposto, acredito que não devemos ser supersticiosos e está achando que algo de ruim irá acontecer porque fulano ou beltrano falou ou escreveu. Devemos nos colocar em harmonização com as coisas positivas da vida, buscando a sustentabilidade do planeta e a paz da humanidade, não simplesmente achando que isso é um ato só para outras pessoas fazerem, no entanto, essa ação começa por cada um de nós. Faça sua parte que certamente será inspiradora e motivadora.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

PROTEÇÃO


Uma singela reflexão sobre PROTEÇÃO. Lendo um livro sobre Negócios Internacionais (Comércio Exterior), num determinado momento havia uma explanação a respeito de PROTEÇÃO, sem querer adentrar aos aspectos técnicos do tema a que se refere o livro, trago apenas alguns pontos que julgo análise a respeito.

Diferença entre:
  • ·         PREDIÇÃO – Vidência - Considera-se que o futuro pode ser diferente do passado;
  • ·         PREVISÃO – Esforço para verificação dos eventos que podem ocorrer;
  • ·        PROJEÇÃO – Conhecendo-se o passado e o presente considerará que o futuro é uma consequência e/ou repetição dos eventos;
  • ·       PLANEJAMENTO – É um conjunto de providências a serem tomadas, dessa forma podemos agir sobre variáveis e fatores, tendenciando o futuro.

Observando cenários, há alterações de paradigmas em nosso meio, pois há constantemente mudanças relacionadas ao surgimento de novos mercados e processos. Mudam-se políticas, questões sociais, culturais e econômicas. Diante das mudanças que estão inseridas na sociedade em geral, temos que conviver com uma visão de mundo mais ampla, planejando nossas vidas, mesmo que alguns achem que não temos domínio sobre ela, porém fazendo uso dos ensinamentos progressivos e milenar que nos são repassados pela AMORC, teremos respostas diferenciadas que impactam positivamente em nosso futuro.

Devemos em nossas ações ativar a busca constante pelo aspecto da qualidade, não simplesmente da quantidade, permitindo-nos sermos mais eficaz em nossos resultados. Um exemplo:

Certo dia conversando com um amigo muito religioso ele me disse:

- Costumo orar várias vezes por dia, mas não tenho um resultado positivo satisfatório em relação aos propósitos de minhas orações.

Indague-o:

- Você está orando da forma correta? Você sabe orar ou apenas está lendo as orações?

Ele silenciou e balançou a cabeça com aspecto pensativo e concordando com minhas perguntas. Finalizando que iria pensar e rever sua forma de orar.

Sabemos que existem circunstâncias, tais como kármicas e missões, que são inerentes as nossas vidas, estando conscientes ou não, mas que devem ser trabalhadas. Com ocorrências que às vezes estão aparentemente fora do nosso controle. Algumas pessoas acreditam que nada pode ocorrer com elas, porém, quando menos esperam ocorrem fatos inesperados. Estamos sujeitos a riscos, mas não devemos viver com medo, devemos está cientes de nossos deveres para com nossa vida interior. Há um ditado árabe que diz:

“Confie em Alá, mas prenda o camelo!”

A palavra PROTEÇÃO etimologicamente se deriva do Latim: Protectio. Seu significado mais comum é o ato ou efeito de proteger, ajudar, defender, socorrer ou apoiar, isso dependendo das circunstâncias.  

Não podemos achar que tudo cairá do “céu”, sem que ao menos haja reflexão e prática de nossa parte. A proteção ocorrerá quando identificarmos que dela necessitamos e buscarmos as ferramentas essenciais para acioná-la.