LIBERDADE DE OPINIÃO

O objetivo desse blog não é criticar negativamente as crenças e conceitos de outrem. É um exercício de reflexão com o mais puro sentimento de liberdade e de amor ao próximo. São textos de um mero estudante descobrindo o universo que vivenciamos.



sábado, 23 de outubro de 2010

VOANDO COM MÁRIO QUINTANA

Mário Quintana tinha um olhar simples, mas profundo da vida, suas palavras aparentava uma natural visão mística, segue um pequeno poema para vocês desfrutarem.

POEMINHO DO CONTRA

Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!

Mario Quintana

domingo, 17 de outubro de 2010

ETERNIDADE - Parte 1

O dicionário Aurélio definiu eternidade como uma qualidade de eterno, cujo significado, é “que não tem princípio e nem fim”. Eternizar é imortalizar.

O Bhagavad-Gītā fala que não existe continuidade para o que não existe e não há interrupção para o existente.

A Bíblia o livro sagrado dos cristãos tem 18 versículos em livros diferentes que falam sobre a eternidade, mas o que chama atenção é a repetição dos termos “de eternidade em eternidade”, por exemplo:

(Daniel 7:18) - Mas os santos do Altíssimo receberão o reino, e o possuirão para todo o sempre, e de ETERNIDADE em eternidade.

Helena P. Bravatsky comenta em Isis Sem Véu: “Este universo visível de espírito e de matéria, é apenas imagem concreta da abstração ideal; foi construído com base no modelo da primeira IDÉIA divina. Assim, o nosso universo existiu desde a eternidade em estado latente.” Acrescenta ela: “Dado que não existe percepção do tempo na eternidade, qualquer tentativa seria apenas um trabalho inútil.”

Penso... Se no Universo tudo é cíclico, então, tudo é repetitivo, só que com uma roupagem diferente, mas como pode ser eterno se é cíclico? Como compreender a origem se há eternidade?

Fernando Monteiro, 17 de outubro de 2010.

HAARP

Os Rosacruzes estudam, entre outros temas, ao longo dos últimos séculos as ondas eletromagnéticas e sua aplicabilidade cotidiana em benefício da humanidade. 

Fazendo uma breve análise sobre um documentário exibido pelo The History Channel chamado de “Guerra Climática”, o qual levanta a hipótese de utilização de ondas eletromagnéticas para manipulação do clima, entretanto, as autoridades negam. As pesquisas ocorrem através de três centros nos EUA. Além deles existem outros com objetivos comuns, sendo alguns de propriedade União Européia, Inglaterra e Rússia. 

O documentário comenta sobre o projeto HAARP (High Frequency Active Auroral Research Program) em português Programa de Pesquisa da Aurora Ativa de Alta freqüência. Coordenado pela força aérea e a marinha americana juntamente com a universidade do Alaska. O projeto consiste em uma grande área com antenas poderosas que emitem radiação em direção a ionosfera, isso permite alterações no clima, podendo gerar temporais, protegendo de furacões até manter o clima seco. Há uma linha de especialistas que não estão diretamente ligados aos estudos, mas especulam que o Furacão Katrina pode ter sido causado pela chamada guerra climática. 

O sistema consiste em 180 antenas, com 15 colunas e 12 linhas, transmitindo um sinal em sentido ascendente que é absorvido parcialmente a uma altitude no intervalo de 100 a 350 kilometros dependendo da freqüência que queira estudar.


 

 A atmosfera do planeta Terra compreende da superfície até o espaço camadas dividida em 05 partes, a saber:

• Troposfera;
• Estratosfera;
• Mesosfera;
• Termosfera;
• Exosfera.

A Ionosfera está localizada na Termosfera e é composta basicamente por íons e plasma, nela são refletidas as ondas de rádios até 30 MHZ.

Um ponto interessante é que a Universidade do Alaska recebe recurso de departamentos americanos, entre eles o da Agricultura, Energia, Defesa e a NASA. Segundo a Universidade o objetivo do HAARP é estudar as propriedades físicas e elétricas da ionosfera que podem afetar os sistemas de comunicação e navegação.

O importante é que essas pesquisas possam trazer respostas para grandes questões atmosféricas e possibilitar implantação de programas relacionados à sustentabilidade ambiental. Mas, para que isso aconteça é importante que haja intercâmbio entre as universidades no mundo, isso pode permitir, por exemplo, a diminuição da fome com aplicações agrícolas.

Para finalizar, este texto faz lembrar as histórias das danças sagradas dos indígenas ao redor do fogo para fazer chover... Remetendo a uma reflexão que o conhecimento primitivo tinha algo especial ou um fundo de verdade, pois considerando as energias emitidas pelo poder de seus pensamentos, mesmo que numa escala menor, tinham o intuito, de alguma forma, ionizar as nuvens formadas por aquelas fumaças. Surtindo efeito ou não, o que me deixa curioso é qual a origem desses conhecimentos...

Fernando Monteiro, 17 de outubro de 2010.

domingo, 10 de outubro de 2010

ASTRONOMIA NA ANTIGUIDADE

A tese mais utilizada para explicar os estudos sobre Astronomia na antiguidade é a necessidade de identificar o melhor período para o plantio e colheita de alimentos. Raciocinando de forma um pouco diferente, entendendo que a natureza, naquela época não era destruída da forma que encontramos no mundo atual, sendo mais farta em caça, pesca e árvore, além da quantidade de habitantes na antiguidade não era grande como atualmente.

É importante que a aplicabilidade dos conhecimentos adquiridos aos longos dos anos, de fato, deveriam ser para o benefício da agricultura, até mesmo, porque não existiam indústrias, tais como hoje conhecemos, mas um sistema de agricultura e talvez de manufaturismo muito rudimentar. Os povos antigos tinham conhecimentos muito avançados e até precisos sobre o universo. Então, volto a me perguntar, a agricultura era uma das causas dos estudos... Mas, qual seriam as outras causas?

Fernando Monteiro, 10 de outubro de 2010.

UM RECADO PARA OS CABALISTAS MAÇONS

Prezados cabalistas maçons gostaria que analisassem o Hino Nacional Brasileiro e façam um comparativo com os caminhos cabalísticos. Não precisam me responder nada.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

OLHANDO A TERRA DE JÚPITER

Sem me apegar aos aspectos humanos para a sobrevivência fora da terra, imagino como seria a vida em Júpiter. Criei a pequena estória:

Sou um cidadão Jupitiano, meu nome é Jupetino, hoje aqui vagando um pouco sobre meu planeta. Meu corpo é sutil, mas pareço um fantasma, composto por hidrogênio e hélio. 

Será que tem vida no planeta Terra? Às vezes me pergunto como serão os terráqueos? Será que eles estão me olhando? Lá existem guerras ou existe PAZ? 

 Eu Jupetino vou criar um foguete e voar até a terra, quem sabe não encontro lá um irmão terráqueo parecido comigo? Qual será a reação quando me ver?

Fernando Monteiro, 04 de outubro de 2010.


SE NÃO EXISTISSE A BÍBLIA?

Uma mera reflexão pessoal! Se não existisse a Bíblia como seria a história das religiões? Mesmo sabendo que ela não é o livro dito “sagrado” mais antigo, qual a sua importância para o mundo, principalmente o lado ocidental? De que forma seria a compreensão de Deus sem a influência dela? A busca nata por algo superior proporcionaria novos paradoxos? As pessoas viveriam normalmente? Qual seria a visão do universo sem ela? Me pergunto... Não nos limitamos quando fomos induzidos a acreditar só naquilo que está escrito ali? Seu conteúdo não foi mal interpretado? As leis de Deus encontraríamos dentro de nós?

E se não existisse a Bíblia?...

Fernando Monteiro, 04 de outubro de 2010.