LIBERDADE DE OPINIÃO

O objetivo desse blog não é criticar negativamente as crenças e conceitos de outrem. É um exercício de reflexão com o mais puro sentimento de liberdade e de amor ao próximo. São textos de um mero estudante descobrindo o universo que vivenciamos.



sábado, 23 de março de 2013

A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA DE HORÁRIO PARA HARMONIZAÇÃO



Os ingleses são conhecidos mundialmente pela disciplina do horário em suas atividades cotidianas, principalmente no que diz aos compromissos profissionais. Essa responsabilidade em relação à hora é um dos requisitos para que uma atividade tenha sucesso quanto a sua execução. Quando definido um horário para determinada situação permite que seus participantes possam se organizar de forma adequada para contemplá-la.

Tenho observado os casos históricos das igrejas católicas, com exceção de algumas cerimônias especiais, que sempre ocorrem às missas em horários padrões. Por exemplo, lembro que na minha cidade natal a igreja matriz tinha missas a noite começando as 19:00 horas. Já morando na capital do meu estado, num bairro da região metropolitana a igreja local também começava suas missas as 19:00 horas.

A importância do horário no que diz as reuniões de cunho religiosas, espiritualistas, místicas e iniciáticas, entre outras coisas, pelos assinalamentos astrais, quando desfrutadas de regularidade, há preponderantes influências positivas sobre elas. Francisco Valdomiro Lorenz ¹ cita que “Os astros, nos seus incessantes movimentos, misturando, em diversíssimas quantidades, seus fluidos, formam os variados matizes de luz.

Vejamos uma relação de horários distintos de uma reunião regular:












Podemos refletir, na linha tracejada (diversos organismos), que a uniformidade propicia uma melhor harmonia quanto aos propósitos da atividade. Mais pessoas estão comungando dos mesmos objetivos, tornando mais fortes suas formas-pensamentos. Annie Besant ² explica uma Lei Universal da afinidade magnética, cita ela: “Quando chegar a compreender essa fraternidade mental que liga todos os homens, sua atitude em relação à mente se modificará. Sentirá essa responsabilidade de enviar para o exterior e de dele receber. Compreenderá esses vínculos que confluem para ele de todas as direções.”

Podemos concluir que harmonizar uma corrente de pensamentos nobres de diversas partes de um território, proporciona maiores resultados quanto aos seus objetivos, mas para isso é necessários que estejamos sintonizados, de preferência, num mesmo horário.



Nota:
1 - Livro Lições Práticas de Ocultismo Utilitário, Editora Prof. Francisco V. Lorenz, página 94.
2 - Livro Do recinto Externo ao Santuário Interno, Ed. Pensamento, página 39.


quinta-feira, 21 de março de 2013

UM SERVIÇO SILENCIOSO



Aquela luz que penetra nossa mente nos deixando desperto, com uma sensação de misto de inteligência e sabedoria, tornando nosso raciocínio leve, sereno... Dando-nos força e misericórdia para trabalharmos com bondade. Ora, nem precisamos dizer para alguém o que estamos sentido. Essa luz é fruto de nossa harmonização com o nosso EU INTERIOR.

Yogi Kharishnanda¹ nos ensina... O homem pacífico venceu sua personalidade e os incitamentos, sendo sábio aquele que conseguiu conhecer sua natureza interior. Respeitando as palavras divinas e as guardando no seu coração.

Essa caminhada interna desencadeia reações importantes em nosso corpo físico, uma espécie de fonte da juventude. Muda comportamentos e agrega valores antes desprezados. Essa caminhada esotérica nos permite lustrar ou polir nossa vida exotérica.

É importante percebemos que durante nossa elevação já demos passos em direção ao nosso EU INTERIOR e lá encontrarmos nosso mestre, mas nossa retidão durante essa caminhada é a chave para que possamos desfrutar da luz simbólica do LESTE. Assim como nasce a luz do sol, devemos nos preparar para o trabalho silencioso, pois não apenas devemos receber os raios luminosos, mas como um reflexo deles na água corrente, propagá-los para as outras pessoas. Para isso é importante nosso serviço externo, em templo, mesmo que simples, mas que simbolicamente estamos defendendo a causa a qual realmente acreditamos e que contemplaremos durante essa vida, mesmo que depois paremos para descansar... Já foi internalizado... Saindo um pouco do nosso santuário pessoal, nosso sanctum ou nosso oratório, devemos servir como oficiais, ou melhor, como verdadeiros cavaleiros da távola, os quais vestiam seus aventais para SERVIR a uma causa nobre.

Se você já se sente agraciado pelas oportunidades que a vida vos deu para SERVIR, nunca ache que não podes fazer mais ou que acabou seu tempo, apenas suas forças foram ou serão renovadas para seguir caminhando em outro estágio. Assim como o sagrado é importante para nós... Nós somos importantes para o sagrado.

Devemos SERVIR ao menos uma vez por dia ou uma vez por semana, não devemos parar, pois uma Egrégora forte é aquela que tem homens disciplinados cuidando do seu bem comum.


Nota:
1 – Contexto extraído do livro “O evangelho de BUDA”. Editora Pensamento.

domingo, 17 de março de 2013

INVOLUÇÃO



Esse estudo sucinto é baseado num tema abordado numa conversa no Capítulo Rosacruz Boa Viagem, como ele nos remete análise serena e profunda, demanda de certa forma, ainda, muito estudo e comparações, porém, é fato que dada à importância do processo evolutivo é natural que as pessoas se prendam em aspectos não muito difundidos ou não levados em conta os reais propósitos que devemos ter em vida...  Levar e elevar os conhecimentos da humanidade dentro de uma visão de liberdade, igualdade e fraternidade, para que ela, então, tenha LUZ, VIDA E AMOR em seu caminho...

PROCESSO NATUAL DA VIDA

Sob os aspectos da ciência a Involução não foi comprovada. Dentro da teoria evolucionista ela não existe.











Simples ilustração

Importante entender que algumas estruturas podem ser semelhanças entre organismos, mesmo esses diferentes entre si, porém, com mesma origem. Mas, mesmo com desenvolvimento semelhante e origem embrionária igual, podem exercer funções diferentes entre as diversas espécies. Portanto, o não aparecimento de características em gerações futuras não quer dizer que houve involução, porém, dentro do processo evolutivo, há um novo modo de vida que utiliza outras características.


PROCESSO MÍSTICO

Observamos que há no processo místico três corpos comumente estudados, a saber:

·         Corpo físico;
·         Corpo Astral (Psíquico);
·         Corpo Mental (Espiritual).

Para o ser vivo alguns aspectos que analisamos com relação à involução, pode está erroneamente relacionada a enxergarmos apenas um desses corpos ou simplesmente em um tipo de comportamento enquanto um ser humano em vida e para vidas futuras, no campo da reencarnação. Quando em contexto geral poderíamos analisar mais profundamente o conjunto desses três corpos, mas para isso, é claro, necessitamos ter conhecimento das funcionalidades deles. Dessa forma, permitirá entender os aspectos EVOLUTIVOS, para então começarmos a vislumbrar a relação com o aspecto UNIVERSAL.

Isso permite uma definição a partir da base de conhecimento, avaliando os “marcos históricos a respeito do tema”. Mitigando toda a supertição e fantasia a respeito, inclusive, as de linhas religiosas e doutrinárias. Algumas tradições antigas, principalmente na pré-história e antiguidade, acreditam na METEMPSICOSE, porém, hoje se verifica que esse processo não é condizente com um processo evolutivo. O Livro dos Espíritos, uns dos livros base do Espiritismo Kardecista, no Capítulo XI – 2ª parte, trata desse assunto e também é coerente com a posição da tradição Rosacruz, antiga e aceita, de que ela não procede. O princípio base é que um ser humano em sua nova reencarnação não poderá nascer num corpo de um ser inferior (animal), pois como poderá ele em sua “bagagem” Kármica compensá-la em uma espécie inferior.

Todavia, devido a serie de interpretações dadas pelas tradições aos animais, pode-se dizer que dentro de uma dimensão cognitiva da linha de conhecimento tácito algumas crenças tiveram influências de modo a não permitir uma evolução mais elevada do ser humano, tornando-o prisioneiro de coisas que não entendiam na essência. No livro Quadro Natural – Das Relações Que Existem Entre Deus, O Homem e o Universo, página 286, publicado pela Biblioteca Rosacruz e Editado originalmente pela Diffusion Rosicrucienne, cujo autor é Louis-Claude de Saint-Martin cita um exemplo conforme segue:

“Teria sido, em suma, mais útil nos ensinarem que todos os Seres corpóreos são, cada qual, um símbolo de uma faculdade invisível que lhes é análoga. Então, poderíamos tirar do touro a ideia da força, do carneiro a da doçura e da inocência, do bode a de putrefação e da iniquidade, e assim por diante em todas as espécies de animais e até de todas as substâncias que eram oferecidas materialmente nos sacrifícios.”

Sendo assim, as formas que damos aos animais não corresponde a realidade humana, mesmo que eles apresentem características de comportamento e imagem a que venham servir de conforto as nossas concepções pessoais.

Rizzardo da Camino, grande estudioso e escritor maçônico em seu livro PRÍNCIPE ROSA CRUZ E SEUS MISTÉRIOS, editado pela Gráfica e Editora Aurora, página 121, comenta:

“Evolução, aqui, tem o significado de nivelamento; Jesus Cristo veio transformar todas as castas num só nível: o de IRMÃOS e consequentemente, filhos do mesmo DEUS.”

A escritora Cordélia Alvarenga de Figueiredo em seu livro Triângulo Místico Rosacruz, editado pela Editora Maçônica, página 168, cita um exemplo a respeito do Karma:

“O Karma foi o instrumento necessário para alcançar a suprema liberdade que é a Vida no Cristo. Um dos postulados do Rosacrucianismo é que o Homem físico dá à consciência as possibilidades de conhecimento e experiência no mundo material o que é de suma importância para o Ser Humano. Sendo o Homem o Ser, qualquer que seja a parte do Universo que ele habite, ele une o mais elevado Espírito com a mais baixa expressão da matéria, dando como resultado um Deus manifestado que marchará de conquista em conquista, sempre para a frente, pelo infinito a fora.”

Por fim, acredito por concepção nata e também por conhecimento adquirido que não existe INVOLUÇÃO.

domingo, 3 de março de 2013

PROFECIAS - Parte II


Estava conversando com uma Soror (Irmã) a respeito de Profecias, ela me falava sobre o Profeta Nostradamus. Atento as sua palavras e com um profundo respeito as suas colocações e aos seus pontos de vistas, foi interrompida com uma indagação de um Frater (Irmão): quanto “FIM DE MUNDO” já não escutou ultimamente? Parece que essas palavras caíram do céu no momento certo...

Movidas por crenças as Profecias faz parte das tradições de caminho devocional, também, chamado de via cardíaca. Caminho esse que ao longo das diversas reencarnações do homem o leva ao encontro do divino, movido pela fé, seja em alguém ou uma causa.

As Profecias têm três classificações quanto a sua realização:

  • Base Passada – Que em algum tempo do passado já ocorreu;
  • Base histórica – Que está por acontecer no decorrer da história da humanidade, sem precisão de tempo;
  • Base Futura – Que ocorrerá em circunstâncias do futuro, com uma combinação de acontecimentos que a antecederá e em alguns casos, com previsão de tempo.

Dentro da tradição bíblica encontramos a Profecia como um dom divino, portanto, só atribuído a DEUS o poder de profetizar, cabendo ao homem apenas a interpretar.




Para alguns as Profecias são, também, formas de embutir um determinado simbolismo, ou ainda, o próprio simbolismo atuando para guardar “verdades” de leis universais.

É preciso aprofundar um pouco o tema quanto a sua extensão territorial, pois até parte da idade média, acreditava-se, por exemplo, que o mundo não era redondo. Logo, pergunto-me:

“Será que o mundo iria partir ao meio? Ou toda sua água iria escorrer pela beirada do quadrado?”  

Acreditava-se, por exemplo, que a terra não girava em torno do SOL, em determinados povos desconheciam a existência de outros planetas. Mudanças ocorrem naturalmente...

As convicções de alguns seres humanos estavam repletas de emoções devido as suas tradições religiosas, bem como, baseada em seus conhecimentos históricos e científicos da época.

Um homem mais espiritualizado verificará em relação a uma determinada organização que foi profetizada o seu fim, ora, por que motivo? Recebendo um insight devido ao acumulo de informações no seu subconsciente, cujo reflexo foi um suprassumo profético, sintetizado na extinção daquela organização. Ou ainda assim, percebido inconscientemente, que o Karma Coletivo adquirido por essa organização devido aos seus atos brutais para com as pessoas, tais como queimá-las em fogueiras, cessar conhecimentos, cobrança de taxas para purificação e entrada no céu. Será que em algum momento o AMOR que deveria está acima dos interesses egoístas de alguns simples mortais, não deveria ser pregado para propagação de um bem maior e a própria perpetuação dessa organização, mas quando esse não tem o valor intrínseco em cada um de seus governantes a perpetuação é expressamente entendida de forma capitalista e de influência política, deixando em segundo plano a socialização da palavra AMOR. No entanto, entendo perfeitamente que os erros do passado refletem consequências no futuro, mas que todos, incondicionalmente, têm o direito universal do recomeço, mesmo que esse seja inicialmente com o declínio aparente, pois cada um tem o seu valor histórico e missão cósmica, sendo esse acontecimento uma expressão da verdadeira purificação...

Não estou aqui querendo desmerecer e nem acabar com a “Ciência Profética”, muito menos fazendo uma crítica, mas apenas, remetendo a uma reflexão mais aprofundada a respeito do tema. Desejando que as análises individuais sejam desnudadas das crenças, superstições e emoções aparentes, mas refletindo uma imagem real.

Sejamos LUZ, VIDA e AMOR...


terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

SENTENCIANDO


Certamente o silêncio é um grande instrumento para reflexão, de modo que antes de argumentarmos algo, temos tempo de nos refazer caso verificarmos que por impulso estávamos prestes a falar sobre alguma situação que não representava a realidade e consequentemente iria machucar alguém.

Cada indivíduo tem um nível cultural e social pelo qual boa parte de suas ações são baseadas dentro do conhecimento que deles aprenderam. Avaliando o comportamento de um individuo e nos colocamos como referencial iremos identificar algumas discrepâncias em relação ao que nós somos. Isso mesmo, eu e você que está lendo, em relação a uma terceira pessoa. Temos diferenças, não podemos achar que a forma que identificamos um ser humano é realmente o que ele representa. A grande chave disso é como estimulamo-lo, se positivamente ou negativamente. Devemos ter cuidado no julgamento, principalmente quando este é explícito, direto e franco.

Segue uma citação de Annie Besant (1847-1933) em seu Livro “Do recinto externo ao santuário interno”, publicado pela Editora Pensamento:

“O próximo estágio será o de analisar o próprio caráter, porque está trabalhando com conhecimento e não às cegas. Talvez, se for sensato, assimile algumas das coisas que os grandes homens colocaram diante de você como descrição do caráter que o levará à porta do Templo.”

Logo, quando recebemos algum tipo de conhecimento religioso ou místico, devemos educar os nossos pensamentos, mudando nossos hábitos, de forma a sermos mais serenos. O julgamento é algo que devemos evitar, fazendo-o apenas quando necessário.

Uma citação de C. W. Leadbeater (1854-1934) em seu Livro “Compêndio de Teosofia”, também publicado pela Editora Pensamento:

“O pensamento, quando é pessoal, atua inteiramente do mesmo modo em relação à pessoa que o engendrou e se descarrega sobre ela quando a ocasião se apresenta. Quando o pensamento é mau, considera-o a pessoa que o gerou como obra de um demônio tentador. Em geral, pode-se dizer que cada pensamento produz uma nova forma-pensamento. Porém, sob o império de certas circunstâncias, a repetição deste pensamento, em lugar de produzir uma nova forma, funde-se com a primeira e o fortifica. De sorte que uma continuada meditação sobre o mesmo assunto engendra, por vezes, uma forma-pensamento de um poder formidável. Quando é má, pode tornar-se maléfico e durar muitos anos. Possui a aparência e os poderes de uma entidade realmente viva.”

Por isso o fato de estarmos julgando as pessoas constantemente pode ocasionar uma couraça psicológica e esta, baseada em sua forma de pensar pode nos machucar, não permitindo enxergarmos a vida com mais simplicidade e cordialidade.

Durante uma relação interpessoal, há situações que nos permite conversar com uma pessoa e dá-lhe conselhos, fazer críticas construtivas, entretanto, é necessário estarmos preparado para isso. O que nos leva a ajudar uma pessoa? É o entendimento que possamos agregar algo para ela, mesmo quando somos solicitados a fazer isso. Quando não compreendemos dos assuntos envolvidos nas questões pessoais desse individuo, não estamos capacitados para fazermos julgamentos a respeito das ocorrências na vida dele. Portanto, nesse momento, ter humildade e servir dentro do que realmente somos, muitas vezes, em simples oração em seu favor, mas de forma contundente, ou seja, sincera, trará mais benefícios do que falarmos uma porção de palavras sem um sentido para o contexto daquele indivíduo.

“Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;”Novo Testamento – Timóteo – Capítulo 2 – Versículo 1.




segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

PROFECIAS


Não devemos desconsiderar a sabedoria da antiguidade, principalmente ao que se refere ao comportamento humano. Eles nos remetem a algumas análises e modos de vidas de bom grado para o convívio humano.

Sem desmerecer os Profetas do passado, bem como, sabendo que alguns deles tinham qualidades extraordinárias para prever acontecimentos, devido as suas “harmonizações com o Deus de seus corações”, mas é sabido que de certa forma um impacto de um comentário ou um estudo de algum deles quanto a determinados fatos que poderiam ocorrer estava diretamente relacionado a um receptor que por vezes não tinha o conhecimento necessário para analisar o teor de seus comentários. Por outro lado, ainda, o impacto era sempre maior quando o fato incorrido era relacionado à entidade ou pessoas, isso em qualidade e/ou quantidade, de grande importância num contexto social.

Como prática milenar, desvendar segredos é também uma característica nata do ser humano que ao nascer já sente a necessidade de proteção e acreditar em algo superior, na maioria das vezes, inicialmente representado pela relação com os pais. A inquietude em descobrir os mistérios da vida, mesmo para o mais profano dos homens é tentador e nos leva a cenários épicos que podemos considerar distantes dos conhecimentos atuais, inclusive, nas duas pontas desses conhecimentos, atrasados ou avançados.

Dentro de uma linha de comportamento humano, é sabido que podemos prever certos acontecimentos, salvo quando há situações de riscos não percebidas. Para um profano, com sua natural , ao receber informações ditas importantes, suas reflexões e ações são baseadas em sua cultura e com base no modo de vida daquela sociedade em que convive, seja atual ou antiga.

Hoje, temos que ter muito cuidado em julgar certas profecias, devem ser entendidas de forma serena, ou seja, buscando enxergá-las a luz da sabedoria antiga, mas também, na síntese científica atual que decompõe uma a uma.

Alguns desses fatos, principalmente, aqueles relacionados à natureza é de certa forma explicável, já que o próprio homem é responsável pelas ações de degradação do meio em que vive, fazendo que a natureza busque a sua regeneração. Isso implica em catástrofes aparentemente inexplicáveis, além da própria “metamorfose terrena”, se assim simbolicamente posso dizer, mas que a ciência já dá como certa devido à intervenção maléfica do ser humano.

Outro fator importante, é que da antiguidade até poucas décadas atrás, a informação não tinha uma velocidade tão grande. Algo que ocorria na China dificilmente chegaria rapidamente ao continente sul africano ou sul americano. Hoje com a tecnologia da informação temos notícias on-line, full time etc e tal. Mas, o suprassumo disso é que havia ocorrências tantas quanto hoje, talvez, com menos vítimas, já que a população atual é maior e consequentemente atinge mais pessoas.

Diante do exposto, acredito que não devemos ser supersticiosos e está achando que algo de ruim irá acontecer porque fulano ou beltrano falou ou escreveu. Devemos nos colocar em harmonização com as coisas positivas da vida, buscando a sustentabilidade do planeta e a paz da humanidade, não simplesmente achando que isso é um ato só para outras pessoas fazerem, no entanto, essa ação começa por cada um de nós. Faça sua parte que certamente será inspiradora e motivadora.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

PROTEÇÃO


Uma singela reflexão sobre PROTEÇÃO. Lendo um livro sobre Negócios Internacionais (Comércio Exterior), num determinado momento havia uma explanação a respeito de PROTEÇÃO, sem querer adentrar aos aspectos técnicos do tema a que se refere o livro, trago apenas alguns pontos que julgo análise a respeito.

Diferença entre:
  • ·         PREDIÇÃO – Vidência - Considera-se que o futuro pode ser diferente do passado;
  • ·         PREVISÃO – Esforço para verificação dos eventos que podem ocorrer;
  • ·        PROJEÇÃO – Conhecendo-se o passado e o presente considerará que o futuro é uma consequência e/ou repetição dos eventos;
  • ·       PLANEJAMENTO – É um conjunto de providências a serem tomadas, dessa forma podemos agir sobre variáveis e fatores, tendenciando o futuro.

Observando cenários, há alterações de paradigmas em nosso meio, pois há constantemente mudanças relacionadas ao surgimento de novos mercados e processos. Mudam-se políticas, questões sociais, culturais e econômicas. Diante das mudanças que estão inseridas na sociedade em geral, temos que conviver com uma visão de mundo mais ampla, planejando nossas vidas, mesmo que alguns achem que não temos domínio sobre ela, porém fazendo uso dos ensinamentos progressivos e milenar que nos são repassados pela AMORC, teremos respostas diferenciadas que impactam positivamente em nosso futuro.

Devemos em nossas ações ativar a busca constante pelo aspecto da qualidade, não simplesmente da quantidade, permitindo-nos sermos mais eficaz em nossos resultados. Um exemplo:

Certo dia conversando com um amigo muito religioso ele me disse:

- Costumo orar várias vezes por dia, mas não tenho um resultado positivo satisfatório em relação aos propósitos de minhas orações.

Indague-o:

- Você está orando da forma correta? Você sabe orar ou apenas está lendo as orações?

Ele silenciou e balançou a cabeça com aspecto pensativo e concordando com minhas perguntas. Finalizando que iria pensar e rever sua forma de orar.

Sabemos que existem circunstâncias, tais como kármicas e missões, que são inerentes as nossas vidas, estando conscientes ou não, mas que devem ser trabalhadas. Com ocorrências que às vezes estão aparentemente fora do nosso controle. Algumas pessoas acreditam que nada pode ocorrer com elas, porém, quando menos esperam ocorrem fatos inesperados. Estamos sujeitos a riscos, mas não devemos viver com medo, devemos está cientes de nossos deveres para com nossa vida interior. Há um ditado árabe que diz:

“Confie em Alá, mas prenda o camelo!”

A palavra PROTEÇÃO etimologicamente se deriva do Latim: Protectio. Seu significado mais comum é o ato ou efeito de proteger, ajudar, defender, socorrer ou apoiar, isso dependendo das circunstâncias.  

Não podemos achar que tudo cairá do “céu”, sem que ao menos haja reflexão e prática de nossa parte. A proteção ocorrerá quando identificarmos que dela necessitamos e buscarmos as ferramentas essenciais para acioná-la.